Pesquisar este blog

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Plural

Plural - poema de Tarso Correa de 17/01/2008

Sou bambu,
Flexivel ao vento;
Sou chuchu,
Para qualquer tempo;
Sou doce como caju,
Venenoso como surucucu;
Sou pau para toda obra,
Sou obra para qualquer momento,
Sou assim, sou assado;
Sou de um lado, talvez virado;
Sou do avesso ou do contrário,
Sou um nada e o tudo
Tudo junto e separado
Assim......eu

LADAINHA DO SERTÃO

LADAINHA DO SERTÃO - poema de Tarso Correa A terra rachada, Como a sola dos meus pés, A alma magoada, amarrada, Engaiolada igual passar...