Pesquisar este blog

terça-feira, 11 de março de 2014

Tempo arrastado

Poema de Tarso Correa de 01 de julho de 2013.

Tempo arrastado

Chão de terra, casa caiada,
Sino dobrando, beata rezando.
No adro, o burro pasta arrastando a cangalha.
No bar, viola geme, tem pinga no copo;
Sinhô sentando no toco, pitando seu cigarro de palha;
Conversa fiada, riso contido com graça
O tempo não passa e a vida se arrasta.
Sino dobrando para a missa chamando.
Dia que termina, neblina na serra, suor da terra.
Noite que se anuncia, céu de turmalina;
Sino dobrando para a missa chamando.

LADAINHA DO SERTÃO

LADAINHA DO SERTÃO - poema de Tarso Correa A terra rachada, Como a sola dos meus pés, A alma magoada, amarrada, Engaiolada igual passar...