Pesquisar este blog

sábado, 22 de outubro de 2016

REFLEXO ATEMPORAL

REFLEXO ATEMPORAL - Poema de Tarso Corrêa

Meu corpo não é meu,
Sou sofrido nesta roupagem que não me representa,
Neste claustro que me sufoca;
A alegria que banhava minha alma se perdeu;
Alimento este segredo, perdido no degredo;
No espelho o reflexo é desconexo,
Um silêncio no vazio,
Uma alma sem corpo,
Que torto vaga nas águas da maledicência, buscando um porto;
Rasgo em dores salgadas pelos rótulos pejorativos,
Buscando desembrulhar me dos adjetivos;
Sonhando com a liberdade,
De mesclar alma e corpo,
Iluminar meu pranto,
Descobrir deste manto;
Mas o medo me acalenta,
Pelo escárnio da sociedade,
Que me abraça e toca;
Sou igual e diferente,
No meio de tanta gente.

LADAINHA DO SERTÃO

LADAINHA DO SERTÃO - poema de Tarso Correa A terra rachada, Como a sola dos meus pés, A alma magoada, amarrada, Engaiolada igual passar...