Pesquisar este blog

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

MEIA LUZ


MEIA LUZ - POEMA DE TARSO CORREA

Marginal eu sou!
Do amor mais profano,
Da vida mundana,
Das madrugadas lavadas,
Pelo suor dos corpos;
Dos segredos guardados nos copos;
A meia luz nas esquinas,
Tremulando nas sombras submersas da neblina;
A pele, ossos e carne que ardem,
O estômago embrulhando,
Pelo amor correspondido,
Com prazo de validade;
Molhado pela aguardente;
Afagado pelo desejo do beijo,
Corrompido pela falsa castidade;
No calor ardente,
A desvair com o apagar da lua,
Deixando lençóis amassados,
Suados, carimbados pelas falsas verdades,
Das mentiras que se vestem,
Da névoa da catarata do fim da noite,
Que sugada pelo dia que rasga como açoite,
E despem da fantasia,
De mais um dia que se pronuncia,
Reinicia.


Verdades Puídas

Verdades Puídas - poema de Tarso Correa A verdade é um pouco das mentiras que nos contam! Várias incorporei por comodidade, Outras por i...